Miomas: conheça os sintomas

Miomas: conheça os sintomas

A suspeita do diagnóstico de infertilidade geralmente ocorre com a ausência de gravidez após um ano de relações sexuais regulares sem que sejam utilizados métodos contraceptivos. Muitas doenças podem causar infertilidade, entre elas os miomas.

O diagnóstico da infertilidade depende de uma série de procedimentos que visam determinar seus motivos. Entender as causas da infertilidade é importante para que o tratamento mais adequado seja escolhido.

Os miomas podem provocar diversos problemas para as mulheres, e a dificuldade em sua detecção está associada ao fato de que a doença pode, muitas vezes, ser assintomática. No entanto, alguns sintomas podem auxiliar em seu diagnóstico e, por isso, é importante conhecê-los.

Continue a leitura e saiba mais sobre os miomas: o que são, sintomas, diagnóstico, tratamento e sua relação com a reprodução assistida.

O que são miomas?

Os miomas são formações que se desenvolvem na camada muscular intermediária do útero, chamada de miométrio e podem invadir a cavidade uterina. Essas massas ocorrem em decorrência da multiplicação desenfreada das células do miométrio, e formam tumores benignos, que, de modo geral, são classificados de acordo com o local que crescem e com a presença ou ausência de pedículos.

Existem três tipos principais de miomas, sendo eles o subseroso, o submucoso e o intramural. Esses tumores são estrogênio-dependentes. O estrogênio é um hormônio produzido nos ovários, e a sua ação pode fazer com que os miomas atinjam um tamanho significativo.

Os miomas se fazem presentes em cerca de 20% a 40% das mulheres que estão em idade reprodutiva, e tendem a regredir após a menopausa, devido à diminuição da ação do estrogênio.

Sintomas

Cerca de 75% dos casos de miomas são assintomáticos, sendo diagnosticados durante a realização de exames abdominais, pélvicos ou a ultrassonografia. Entretanto, quando esses sintomas se fazem presentes, podem auxiliar em seu diagnóstico precoce.

Um dos sintomas mais presentes é o sangramento uterino aumentado, que, em alguns casos, pode causar anemia na portadora dos miomas.

Esse sangramento caracteriza a menorragia, que é o aumento do fluxo menstrual. A presença de miomas também pode causar alteração do funcionamento de órgãos como a bexiga e o intestino, além de causar dores localizadas na região pélvica.

Os sintomas dos miomas estão associados tanto ao seu tamanho quanto à localização e à quantidade. As disfunções reprodutivas são mais fortemente associadas com os miomas localizados na camada interna do miométrio.

A localização dos miomas também pode ter interferência na fertilidade feminina. Os miomas intramurais, localizados na camada miometrial, podem afetar a anatomia da cavidade uterina, uma vez que a presença desses miomas pode fazer com que o endométrio seja deslocado para a frente.

Isso pode levar a abortos espontâneos caracterizados pela dificuldade de implantação do embrião na parede uterina. Esses tumores estão associados à disfunção reprodutiva em cerca de 5% a 10% dos casos.

Investigação e diagnóstico

Na presença dos sintomas, é importante consultar um médico a fim de que os exames necessários sejam realizados. Conforme dito, é comum que miomas uterinos sejam encontrados em exames ginecológicos de rotina.

Isso ocorre porque, durante o exame, o médico pode sentir irregularidades na anatomia do útero. Ele pode solicitar que seja realizada uma ultrassonografia transvaginal, além de outros exames, como o hemograma, em casos de sangramento. Outros exames que podem ser solicitados são a ressonância magnética e a histeroscopia.

Possíveis tratamentos

O tratamento dos miomas depende de seu diagnóstico, que visa identificar a localização dos tumores e a gravidade de sua presença.

Dessa forma, o médico pode optar por tratamentos com opções terapêuticas. A principal vantagem desse tratamento é reduzir a morbidade pós-operatória, bem como os efeitos que uma cirurgia pode ter em uma futura gravidez, mesmo quando a mulher não foi diagnosticada como infértil.

Quando a mulher não apresenta sintomas e a presença dos miomas não causa a compressão ureteral, o médico pode realizar um acompanhamento ginecológico constante.

Esse acompanhamento visa verificar a possível evolução desses tumores a fim de determinar a necessidade de um tratamento. Podem ser utilizados medicamentos hormonais a fim de inibir a ação do estrogênio, fazendo com que os miomas regridam.

A escolha do tratamento adequado deve levar em consideração a idade da paciente, a possibilidade da sua fertilidade ter sido afetada, os sintomas relatados pela paciente e, por fim, o tamanho e a localização dos miomas.

O principal objetivo do tratamento é avaliar os sintomas. Em casos extremos, pode-se recomendar a abordagem cirúrgica.

Miomas e reprodução assistida

Em caso de mulheres diagnosticadas com infertilidade que desejam engravidar, o médico pode aconselhar a realização de uma técnica de reprodução assistida. A FIV (fertilização in vitro) é a técnica mais recomendada, e sua principal vantagem reside na forma como a técnica é realizada.

Isso porque uma das etapas da FIV consiste na fecundação fora do organismo da mulher. O embrião é transferido para o útero. Dessa forma, o médico pode, caso necessário, analisar a receptividade endometrial a fim de determinar o melhor momento para a transferência.

A retirada dos tumores pode se configurar como a eliminação de um obstáculo à gravidez, mas a mulher pode, ainda assim, apresentar dificuldades para engravidar.

Os miomas provocam diversos tipos de problemas para as mulheres e seus sintomas podem auxiliar em seu diagnóstico. Para saber mais sobre os miomas, leia outro texto.

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de