O que é endometrite?

O que é endometrite?

O útero é um órgão do sistema reprodutor feminino, responsável pelo desenvolvimento do embrião. Ele é dividido em três camadas de tecido: o perimétrio (camada externa), o miométrio (camada intermediária) e o endométrio (camada interna). Este último, que exerce papel fundamental durante o ciclo menstrual, pode sofrer com doenças que afetam a saúde feminina, como a endometrite.

O endométrio é formado por um tecido vascularizado, revestindo todo o útero. Ele é responsável por receber o embrião e nutri-lo enquanto a placenta está se formando. Durante o ciclo menstrual as paredes do endométrio ficam mais espessas, no entanto, se a gravidez não ocorrer, a camada se descama e é expelida (dando origem a menstruação).

A presença de uma infecção bacteriana causa a endometrite, conhecida por ser uma das causas de infertilidade feminina. Continue a leitura e descubra tudo sobre a endometrite e os seus sintomas, fatores de risco, diagnóstico e tratamento.

Confira!

A endometrite

A endometrite é caracterizada por um processo inflamatório no tecido endometrial, causado por uma infecção bacteriana. As principais causas da doença são relacionadas a:

A endometrite é classificada como aguda ou crônica, sendo esta última, relacionada a infertilidade e abortamentos de repetição. Essa complicação pode acontecer quando ela não é tratada, pois a inflamação pode dificultar a implantação do embrião no endométrio.

Não existem estudos concretos sobre o número de mulheres atingidas pela endometrite crônica. Mas estima-se que esteja entre 0,8% a 19%.

Fatores de risco

As infecções sexualmente transmissíveis são a principal causa da endometrite. Dessa forma, mulheres sexualmente ativas — independentemente do número de parceiros que venha a ter — correm maior risco de contaminação.

Para evitar a doença, é importante usar preservativo em todas as suas relações sexuais e fazer os exames ginecológicos de rotina com a periodicidade recomendada pelo ginecologista.

Principais sintomas

Os sintomas da endometrite são discretos, o que torna a doença mais difícil de ser diagnosticada. Em muitos casos, a dificuldade em engravidar ou episódios de abortamento são os fatores que levam a mulher a procurar uma ajuda especializada.

Os principais sintomas associados à endometrite são:

Como é feito o diagnóstico da endometrite?

O diagnóstico da endometrite é feito apenas por um ginecologista, com base nos sintomas descritos pela paciente e nos resultados dos exames complementares. O exame pélvico é realizado no consultório, onde o médico irá examinar a região pélvica da mulher em busca de anormalidades.

Outros exames solicitados são a biópsia do endométrio, testes de sangue, urina e a ultrassonografia transvaginal para confirmar a presença de uma infecção bacteriana.

Quando a endometrite é causada por uma bactéria da clamídia ou da gonorreia, o parceiro também deve receber o tratamento. As infecções sexualmente transmissíveis são contagiosas e, em geral, assintomáticas, aumentando o risco de contaminação.

Existe tratamento?

A endometrite tem tratamento. Nos quadros leves a moderados, a paciente recebe antibióticos e anti-inflamatórios orais para combater a infecção rapidamente.

Em último caso, uma intervenção cirúrgica pode ser necessária para retirar o tecido afetado. Ela é feita por videolaparoscopia, uma cirurgia minimamente invasiva, onde uma câmera e os instrumentos são inseridos por pequenos cortes na região pélvica da mulher.

Como a doença dificulta a implantação do embrião e aumenta o risco de abortamento de repetição, é recomendado que a mulher faça o tratamento da endometrite antes de engravidar, seja naturalmente ou por uma técnica de reprodução assistida.

Apenas um médico especializado pode indicar qual é o melhor procedimento para o casal, baseado na causa da infertilidade, na idade da mulher, entre outros fatores. A fertilização in vitro (FIV) por ICSI é indicada para a maior parte dos problemas de infertilidade atualmente.

O seu diferencial está na fecundação, que ocorre em um laboratório, após a coleta dos gametas da mulher e do seu parceiro. Um único espermatozoide é introduzido diretamente no óvulo que, após passar alguns dias em cultivo embrionário, é transferido para o útero materno. Para assegurar que o endométrio da paciente está preparado para receber o embrião, o teste de receptividade endometrial (teste ERA) é indicado.

A falta de tratamento é o grande problema da endometrite. Nessas situações, a doença pode causar graves complicações para a saúde da mulher. Existem casos em que a infecção se espalha para outros órgãos do sistema reprodutor feminino, como para as tubas uterinas e os ovários. Além disso, há o risco de choque séptico, quadro severo onde a mulher corre o risco de morte.

A endometrite é uma inflamação no endométrio causada por uma infecção bacteriana. A principal causa está relacionada às infecções sexualmente transmissíveis, como a clamídia e a gonorreia. O tratamento é feito com antibióticos e, caso a mulher queira engravidar por uma técnica de reprodução assistida, a FIV é a mais indicada.

A endometrite não é a única doença que atinge o endométrio. A endometriose é uma das condições que mais afetam a saúde e a qualidade de vida da mulher. Confira o nosso conteúdo completo sobre a endometriose!

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de