Orquite

A orquite é uma patologia masculina caracterizada pela inflamação e inchaço de um ou ambos os testículos. Na maioria dos casos está associada ao vírus da caxumba, embora também possa ser provocada por infecções bacterianas, inclusive as sexualmente transmissíveis (ISTs), como a gonorreia e a clamídia.

A orquite, quando tratada precocemente, tem cura. Entretanto, quando o tratamento não é imediato ou não é finalizado, a doença pode provocar danos nos testículos, resultando em infertilidade, na perda dos órgãos ou mesmo, em casos mais graves, em óbito.

Este texto explica sobre a orquite, das causas e sintomas, que alertam sobre a necessidade de procurar um especialista, ao diagnóstico e tratamento.

Quais são as causas da orquite?

A orquite pode ser provocada por uma infecção bacteriana ou viral, porém, muitas vezes, as causas são desconhecidas. Pode acometer apenas um ou os dois testículos e provocar, ao mesmo tempo, a inflamação do epidídimo, ducto que os espermatozoides atravessam após serem produzidos pelos testículos. Nesse caso, a doença é denominada orquiepididimite.

A causa mais comum de orquite, entretanto, é a infecção pelo vírus da caxumba. Quando não é adequadamente tratada, tem como principal consequência a infertilidade.

Um percentual expressivo de crianças acometidas pela caxumba tende a desenvolver orquite, embora a infertilidade só seja uma consequência após a puberdade. É mais comum em meninos entre 10 e 15 anos e geralmente se desenvolve cerca de seis dias após o início da doença.

Outros organismos virais menos comuns também podem provocar orquite. Eles incluem varicela, coxsackie vírus, ecovírus e citomegalovírus, geralmente associados à mononucleose infecciosa, uma doença bastante comum.

A orquite também pode ser causada por uma infecção bacteriana. De modo geral, a maioria dos casos de orquite bacteriana ocorre a partir da progressão e disseminação da epididimite, inflamação do ducto que transporta os espermatozoides, localizado no dorso do testículo. Ou pode ser causada por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), infecções na próstata e no trato urinário. As bactérias que podem causar orquite incluem:

Entre os fatores de risco para a transmissão de orquite estão:

Quais são os sintomas provocados pela orquite?

Os sintomas que indicam a orquite geralmente se desenvolvem repentinamente e podem incluir desde o inchaço de um dos testículos ou de ambos, a dor testicular de moderada a grave, sensibilidade testicular unilateral ou bilateral que dura por algumas semanas, febre baixa e náusea associada ao vômito. Em alguns casos, pode também haver dor na virilha.

Se houver dor ou inchaço nos testículos, especialmente se a dor ocorrer subitamente, um especialista deve ser imediatamente consultado. Embora esses mesmos sintomas possam ser provocados por outras condições, eles estão entre os principais sinais que alertam para a orquite.

Quando não é devidamente tratada, a orquite pode provocar atrofia testicular, ou seja, encolhimento do testículo, abscesso escrotal, pus no tecido infectado e infertilidade ou produção inadequada de testosterona (hipogonadismo), quando a orquite afeta os dois testículos.

Diagnóstico e tratamentos indicados para orquite

Saiba como são realizados diagnóstico e tratamento da orquite:

O primeiro passo para diagnosticar a orquite é um exame físico detalhado, que vai verificar se há aumento e assimetria dos testículos ou linfonodos na região da virilha, sinais de aumento e sensibilidade na próstata, além da análise do histórico do paciente.

Se houver suspeita, os seguintes exames deverão então ser realizados para determinar se a orquite é de origem bacteriana, viral ou se outras condições estão provocando sintomas semelhantes:

Análise da secreção: uma amostra da secreção deverá ser analisada para detectar bactérias de clamídia e gonorreia.

Exame de urina: o exame de urina pode verificar se há presença de outras bactérias que possam ser responsáveis pela infecção ou mesmo confirmar a presença das transmitidas por ISTs.

Exame de sangue: o exame de sangue também poderá ser necessário para confirmar a suspeita de ISTs ou mesmo a possibilidade de infecção por HIV.

Ultrassonografia: o exame do testículo inflamado ou de ambos os testículos pode determinar a diferença entre orquite e torção testicular, outra condição dolorosa e potencialmente perigosa. A ultrassonografia analisa o fluxo sanguíneo para os testículos. Níveis abaixo do normal indicam torção testicular e mais altos confirmam o diagnóstico de orquite.

O tratamento é então indicado de acordo com a causa que provocou a orquite:

Tratamento para orquite bacteriana

O tratamento para a orquite bacteriana é feito com antibióticos, de acordo com a bactéria que causou o problema.

Os antibióticos devem ser tomados de acordo com a prescrição, considerando elementos como quantidade e duração, para garantir o alívio dos sintomas e a cura da infecção, o que pode levar várias semanas.

Tratamento para orquite viral

O tratamento para orquite viral tem como propósito o alívio dos sintomas. Geralmente são prescritos anti-inflamatórios não esteroides (ANES). Na maioria dos casos, é possível perceber uma melhora até três dias após o início do tratamento, embora a sensibilidade dos testículos possa permanecer ainda durante algumas semanas.

Remédios para aliviar a dor também podem ser prescritos nos dois casos, além de algumas ações, como o apoio dos testículos por uma cinta ou a aplicação de compressas de gelo, para ajudar a aliviar o desconforto provocado pela doença.

Quando a orquite evolui para quadros de maior gravidade, pode ser recomendada a remoção cirúrgica de um ou ambos os testículos. O procedimento é chamado orquiectomia.

Como a orquite pode ser prevenida?

A imunização contra a caxumba contribui bastante para a prevenção da orquite. Além disso, o uso frequente de preservativos ajuda a proteger contra as ISTs, que estão entre as principais causas de orquite bacteriana.

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de