PESA e MESA

PESA e MESA são técnicas utilizadas em tratamentos de reprodução assistida quando não há espermatozoides no líquido seminal ejaculado, condição conhecida como azoospermia. Têm como propósito recuperar espermatozoide do epidídimo, duto que armazena, nutre e transporta os gametas, que serão posteriormente ejaculados.

A azoospermia pode ser obstrutiva, quando uma obstrução impede que os espermatozoides sejam transportados pelo líquido seminal, ou não obstrutiva, em que há uma diminuição praticamente total da produção pelos testículos. É uma das principais causas de infertilidade masculina.

Ambas as técnicas são indicadas para homens com azoospermia obstrutiva, ou seja, que têm a produção normal, mas os gametas produzidos não são ejaculados por problema de transporte.

Este texto explica o que é PESA e MESA e como é realizado o tratamento de infertilidade masculina com a utilização dos procedimentos nas técnicas de reprodução assistida, além de destacar as características da azoospermia obstrutiva.

O que é azoospermia obstrutiva?

A azoospermia obstrutiva, também chamada azoospermia pós-testicular, é o tipo mais comum em homens com a doença. É caracterizada por problemas na ejaculação ou obstruções no trato reprodutivo que impedem o transporte do espermatozoide pelo líquido seminal. Pode ser provocada por diferentes causas e fatores de risco, que incluem:

Principais causas

Fatores de risco

Algumas condições indicam que o homem pode estar com algum problema de infertilidade:

O que é PESA e como funciona o procedimento?

PESA (percutaneous epididymal sperm aspiration) ou aspiração percutânea de espermatozoides do epidídimo é a técnica que coleta espermatozoides diretamente do epidídimo com a utilização de uma agulha fina, conectada a uma seringa. O procedimento é considerado de baixa complexidade e pode ser realizado em ambiente laboratorial, com anestesia local ou sedação.

Para realizar a coleta, a agulha é introduzida na bolsa escrotal, perfurando o epidídimo e aspirando o líquido seminal. O material coletado é analisado durante o procedimento para confirmar a presença de espermatozoides. Se não houver confirmação, deverá ser repetido até que sejam encontrados os gametas.

Os espermatozoides são recuperados com sucesso num percentual significativo dos casos em que a técnica é utilizada.

O que é MESA e como funciona o procedimento?

MESA (microsurgical epididymal sperm aspiration) ou aspiração microcirúrgica de espermatozoides do epidídimo é um procedimento cirúrgico e, portanto, de maior complexidade do que a PESA.

É geralmente realizada em ambiente hospitalar, com a utilização de anestesia local ou geral, de acordo com o caso. Durante o procedimento, uma incisão na bolsa escrotal expõe os túbulos seminíferos. Com o auxílio de um microscópio, são identificados os que contêm maior quantidade de líquido seminal para serem aspirados.

Os testículos são posteriormente devolvidos para a bolsa escrotal, para finalizar o procedimento. O paciente é liberado após a recuperação da anestesia.

A MESA registra maiores taxas de sucesso quando comparada com a PESA, pois permite a coleta de uma quantidade maior de espermatozoides, ao mesmo tempo que diminui riscos de contaminação, aumentando, consequentemente, as chances de fecundação.

Como é realizado o tratamento para infertilidade com a utilização de PESA e MESA?

PESA e MESA integram o tratamento da FIV com ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides). O procedimento é realizado mediante a micromanipulação dos gametas, quando um único espermatozoide é injetado dentro do óvulo, com o auxílio de um microscópio e de uma agulha para que ocorra a fecundação.

A injeção intracitoplasmática atravessa a camada de célula externa do óvulo e a parte interna dele, transferindo o espermatozoide diretamente, aumentando ainda mais as chances de fertilização.

Após a coleta dos espermatozoides, é feita a preparação seminal, uma das técnicas complementares à FIV que tem como propósito a seleção dos melhores gametas, além de ser também importante para auxiliar no diagnóstico de infertilidade.

A preparação seminal é realizada em laboratório, quando são analisados aspectos macroscópicos dos gametas masculinos, tais como viscosidade, liquefação, volume, cor e pH, assim como aspectos microscópicos, como a quantidade de espermatozoides presente no líquido seminal, motilidade, vitalidade ou morfologia.

Existem diversos métodos para preparação seminal, porém os mais utilizados são o gradiente descontínuo de densidade e a migração ascendente.

A migração ascendente (swim-up) tem como critério para seleção a motilidade. Os espermatozoides com maior motilidade se desprendem e nadam para a superfície quando centrifugados. Já no gradiente descontínuo de densidade, uma força centrífuga é aplicada nos espermatozoides para que eles vençam gradientes de densidades diferentes.

São selecionados, então, os espermatozoides com melhor motilidade e morfologia para a fertilização.

Depois de fertilizados, os embriões são transferidos para o útero, com a intenção de gerar uma gravidez. Os embriões formados poderão ser transferidos a fresco ou ser congelados para utilização futura.

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de