SOP (Síndrome dos Ovários Policísticos)

Principal endocrinopatia ginecológica de mulheres em idade reprodutiva, a SOP (síndrome dos ovários policísticos) é apontada por diferentes estudos como a causa mais comum de infertilidade por anovulação (ausência de ovulação).

Tem como característica o aumento da produção de hormônios masculinos (hiperandrogenismo), que estimula o surgimento de traços masculinos, como o crescimento de pelos em locais pouco comuns, acne, seborreia ou alopecia (perda temporária de cabelo).

Apesar de apresentar uma prevalência mais expressiva na faixa etária entre 15 e 44 anos, qualquer mulher pode desenvolvê-la após a puberdade. No entanto, a obesidade e a hereditariedade são os principais fatores de risco.

Se não for adequadamente tratada, a SOP pode causar também problemas na saúde metabólica e cardiovascular a longo prazo, além de contribuir para o desenvolvimento de outras doenças.

Este texto aborda todas as características da SOP (síndrome dos ovários policísticos), das causas aos sintomas, diagnóstico e tratamento.

O que é a síndrome dos ovários policísticos?

A SOP (síndrome dos ovários policísticos) é um distúrbio hormonal que provoca o aumento do tamanho dos ovários e o desenvolvimento de múltiplos cistos pequenos na parte externa deles.

A SOP apresenta uma diversidade de sinais e sintomas relacionados à disfunção ovariana e manifestações clínicas que atualmente classificam as mulheres portadoras como parte integrante de diferentes fenótipos.

Sintomas da síndrome dos ovários policísticos

A anovulação, principal consequência da SOP, pode ser identificada a partir da manifestação de irregularidades menstruais, tais como:

Outros sintomas da SOP (síndrome dos ovários policísticos) incluem:

Os sinais de hiperandrogenismo dependem do grau de sensibilidade dos folículos pilosos e da glândula sebácea aos androgênios, assim como do tempo de exposição a eles. Pode manifestar-se como hirsutismo (pilosidade excessiva), acne, seborreia e/ou alopecia, em graus variados de intensidade e progressão.

Etnia, genética e fatores ambientais podem ser responsáveis pela intensidade variável dessas manifestações.

Causas da síndrome dos ovários policísticos

Embora a etiologia da SOP (síndrome dos ovários policísticos) ainda seja desconhecida, diversos fatores contribuem para o desenvolvimento dela:

Resistência à insulina: a insulina tem como função metabolizar a glicose para gerar energia. A resistência à insulina eleva os níveis de açúcar no sangue e, consequentemente, a sua produção. Em excesso, ela contribui para aumentar os níveis de androgênios, causando dificuldades na ovulação.

Genética: mulheres que possuem mães, irmãs ou tias com SOP têm maior probabilidade para o desenvolvimento dela.

Inflamação de baixo grau: um tipo de inflamação de baixo grau presente nas mulheres com SOP estimula os ovários policísticos a produzirem mais androgênios, o que pode provocar problemas cardíacos e vasculares.

Fatores ambientais: entre os fatores ambientais, está o estilo de vida, sendo a obesidade ao mesmo tempo um fator desencadeador e complicador.

Como diagnosticar a SOP (síndrome dos ovários policísticos)

Alguns exames, como os testes de hormônios femininos, são utilizados para avaliar a fertilidade e os distúrbios hormonais, enquanto ultrassonografia examina os ovários para identificar cistos.

No entanto, por se tratar de uma síndrome em que há uma associação de características e sintomas, nenhum critério isolado possibilita a determinação de um diagnóstico clínico, o que torna necessário um diagnóstico de exclusão.

A última definição para os critérios diagnósticos foi publicada em 2003 após a realização do Consenso de Rotterdam, evento organizado pela Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE) e pela Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) que reuniu pesquisadores do mundo todo.

Ela determina que o diagnóstico deve considerar a presença de pelo menos dois critérios após a exclusão de outras causas de irregularidade menstrual e hiperandrogenismo:

Caso a SOP seja confirmada, deverão ser realizados então outros exames para avaliar possíveis complicações, como diabetes e doença cardiovascular.

Tratamentos para a síndrome dos ovários policísticos

Os medicamentos utilizados para o tratamento da síndrome dos ovários policísticos incluem anticoncepcionais orais e hormônios esteroides de ação antiandrogênica que inibem os sintomas masculinos e a adoção de um agente sensibilizador para as pacientes em que a resistência à insulina está entre os fatores de risco.

A indução da ovulação por medicamentos geralmente é indicada para as mulheres não obesas que desejam engravidar. Porém, apesar de apresentar um alto índice de sucesso, o percentual apontado para uma gravidez bem-sucedida não é expressivo.

Por isso, o tratamento mais indicado para mulheres com SOP que pretendem engravidar é a FIV (fertilização in vitro). As taxas de sucesso da FIV chegam a 40% em mulheres com menos de 35 anos, embora variem de acordo com cada situação.

Mudanças no estilo de vida também são fundamentais para o sucesso do tratamento, entre elas a perda de peso, que pode restaurar a ovulação e a regularidade menstrual, além de diminuir a resistência à insulina e a testosterona total.

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de