Uretrite

A uretrite é a inflamação da uretra, tubo que transporta a urina da bexiga para fora do corpo. Pode afetar homens e mulheres de todas as idades.

Na maioria das vezes, ocorre como resultado de uma infecção por bactérias ou vírus, inclusive, das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Por isso, o risco é maior para pessoas que mantêm relações sexuais desprotegidas.

Os sintomas mais comuns provocados pela uretrite são dor ao urinar e um desejo frequente e urgente de esvaziar a bexiga. Este texto aborda desde as causas, diagnóstico e tratamento da uretrite até seus sintomas, que indicam a necessidade de procurar um especialista.

Quais são as causas da uretrite

Na maioria dos casos, a uretrite ocorre quando as bactérias invadem a uretra. As bactérias mais comumente associadas à uretrite são:

Ao mesmo tempo, os agentes biológicos que provocam algumas infecções sexualmente transmissíveis (IST) também podem causar uretrite. Eles incluem as bactérias da gonorreia e clamídia e o parasita da tricomoníase. As causas virais mais comuns são o vírus herpes simplex e o citomegalovírus e o papilomavírus humano (HPV).

De acordo diferentes estudos, a uretrite também pode resultar de lesões e produtos químicos usados ​​na região pélvica, como espermicidas, geleias e cremes anticoncepcionais. Danos causados ​​por atrito durante o contato sexual ou masturbação provocam, ainda, a inflamação nos homens.

Sintomas da uretrite

Embora homens e mulheres possam desenvolver uretrite, os sintomas apresentam características diferentes. Em alguns casos, a doença é assintomática.

Nas mulheres, os sintomas incluem:

Os sintomas nos homens incluem:

Na maioria dos casos, as mulheres são assintomáticas. Já os homens podem não apresentar sintomas quando a uretrite é provocada por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como clamídia e, eventualmente, por tricomoníase.

Quais são os tipos de uretrite?

A uretrite é classificada como gonocócica e não gonocócica. A uretrite gonocócica é provocada pela Neisseria gonorrhoeae, geralmente transmitida pela IST.

Embora a uretrite não gonocócica também possa ser causada por infecções sexualmente transmissíveis, como a clamídia, ou pelo parasita da tricomoníase, pode ainda resultar de lesões e produtos químicos usados ​​na região pélvica.

Diagnóstico e tratamento da uretrite

Conheça os métodos diagnósticos e tratamentos indicados para uretrite:

Diagnóstico

O exame físico é o primeiro passo para diagnosticar homens e mulheres. Nos homens, geralmente são examinados o abdômen, o escroto, o pênis e a bexiga, para verificar se há alterações como inchaço e secreções. Nas mulheres, além do corrimento vaginal, é a sensibilidade na uretra e na parte inferior do abdômen que poderá indicar o problema. O histórico dos pacientes também será avaliado.

Uma amostra do meato urinário, orifício pelo qual a urina deixa o corpo, também poderá ser analisada para identificar os agentes que provocaram o problema. A coleta é feita por um swap, uma espécie de cotonete estéril.

A cistoscopia, um exame endoscópio das vias urinárias baixas que possibilita visibilizar os segmentos uretrais e da bexiga. Esse exame também poderá ser indicado para observação ou raspagem de lesões na parede interna da bexiga. A ultrassonografia pélvica também é um exame feminino essencial, como exame complementar para as mulheres.

Outros testes diagnósticos incluem:

É importante que qualquer paciente com uretrite confirmada ou suspeita também seja submetido a exames para gonorreia e clamídia, possibilitando, inclusive, que as pessoas informem aos seus parceiros, que também precisarão ser avaliados e tratados.

Tratamento

O tratamento consiste basicamente na adoção de medicamentos que têm como propósito tratar a causa da uretrite e prevenir a propagação da infecção.

Caso a uretrite tenha sido causada por bactérias, são prescritos antibióticos. Já os anti-inflamatórios não esteroides (AINE) são indicados para aliviar a dor, e o cloridrato de fenazopiridina pode ser usado para aliviar a dor e reduzir desconforto, desejo, urgência ou frequência de micção.

Se não for adequadamente tratada, a infecção pode se espalhar para outras partes do trato urinário, incluindo ureteres, rins e bexiga. Além disso, as ISTs que frequentemente causam uretrite danificam o sistema reprodutor. As mulheres tendem ainda a desenvolver doença inflamatória pélvica (DIP), que pode resultar em infertilidade e, com ISTs não tratadas, correm maior risco de gravidez ectópica, condição que pode ter graves consequências.

Já os homens podem desenvolver inflamação dolorosa, infecção da próstata ou o estreitamento da uretra provocado por cicatrizes, causando dor intensa ao urinar. Por isso, é importante procurar imediatamente um especialista se houver a manifestação de algum sintoma.

Como prevenir a uretrite?

Praticar sexo seguro é a medida preventiva mais importante para evitar o desenvolvimento de uretrite. As dicas também podem ajudar a reduzir o risco:

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de